segunda-feira, 28 de abril de 2008

DIA DAS MÃES!








(¸.•´ ♥♥♥Versos Para a Mamãe♥♥♥♥¸.•*¨)


Beleza divina
é ter o ventre abençoado,
pra receber com todo amor
o filho que será gerado.
É amar sem fronteiras,
pelo instinto aflorado
e viver intensamente,
pelo filho tão amado.

Nem se vê e já se ama,
esse pedacinho de gente
que transforma nossa alma
e mexe com o coração da gente!


♥♥♥♥¸.•*¨)
(¸.•´ ♥♥♥









sexta-feira, 25 de abril de 2008

Hora do conto: "Maria - vai - com - as - outras"





Olá Turma! Essa história foi desenhada e contada por mim na Hora do Conto, que aconteceu no dia 24/04/08, no Cantinho de Tudo na Uneb, Juazeiro-Ba. Eu reproduzi a história Maria-Vai-Com-As-Outras da Sylvia Orthof. As crianças gostaram bastante, espero que vocês gostem também.






Era uma vez uma ovelha chamada Maria.


Onde as outras ovelhas iam, Maria ia também.


As ovelhas iam para baixo. Maria ia para baixo.
As ovelhas iam para cima. Maria ia para cima.


Maria ia sempre com as outras.


Um dia todas as ovelhas foram para o Pólo Sul.
Maria foi também.

Ai, que lugar frio!

As ovelhas pegaram uma gripe!!!
Maria pegou também. Atchim!


Maria sempre ia com as outras


Depois todas as ovelhas foram para o deserto.
Maria foi também.
Ai, que lugar quente!
As ovelhas tiveram insolação.
Maria teve insolação também. Uf! Puf!


Maria ia sempre com as outras.


Um dia, todas as ovelhas resolveram comer salada de jiló.
Maria detestava jiló.
Mas, como todas as ovelhas comiam jiló,

Maria comia também. Que horror!!


Foi quendo, de repente,
Maria pensou:
"Se eu não gosto de jiló,
por que tenho que comer salada de jiló?"
Maria pensou, suspirou,
mas continuou fazendo o que as outras faziam.


Até que as ovelhas resolveram pular
do alto do Corcovado para dentro da lagoa.


Todas as ovelhas pularam. Pulava uma ovelha, não caia na lagoa, caía na pedra, quebrava o pé e chorava: mé! Pulava outra ovelha, não caía na lagoa, caía na pedra, quebrava o pé, chorava: mé!
E assim quarenta e duas ovelhas pularam,
quebraram o pé, chorando: mé! mé! mé!



Chegou a vez de maria pular.
Ela deu uma requebrada,




entrou num resturante e comeu uma feijoada.
Agora, mé, Maria vai para onde caminha seu pé!

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Dia das Mães: mensagem

Encontrei essa linda homenagem para a mamãe no blog Baú de Idéias: http://baudeideiasdaivanise.blogspot.com/ Vocês precisam conhecer esse blog... Vale a pena conferir.




" A você "
~~~~~~
Mãe jovem,
Mãe velhinha.
Mãe rica ou pobrezinha.
A você,
Mãe solteira,
Mãe sozinha,
Mãe de um ou mãe de muitos,
Mãe do filho que não veio,
Mãe do filho que já se foi.
A você,
Mãe preta,
Mãe branquinha,
Mãe corajosa , que educa seus filhos.
Todos os dias, a todo momento.
Mãe que às vezes ri e que às vezes chora ...
Mãe que às vezes fala e às vezes cala ...
A você,
Mãe que estimamos,
Mãe que desconhecemos,
Mãe do filho que não é seu,
Mãe - Dindinha,
Mãe - Titia.

A você,Princípio de todo amor,
Esta mensagemCom muito carinho.





Abecedário da mamãe
~~~~~~~~~~~~~~~~
A - Amiga
B - Bonita
C - Carinhosa
D - Dedicada
E - Elegante
F - Feliz
G - Gentil
H - Honesta
I - Inteligente
J - Justa
L - Legal
M - Modesta
N - Natural
O - Organizada
P - Protetora
Q - Querida
R - Risonha
S - Sincera
T - Trabalhadora
U - Única
V - Verdadeira
X - Xodó
Z - Zelosa

Incentive seus alunos a presentear sem utilizar bens materiais.Carinho, afeto, atenção e dedicação são os maiores presentes que uma mãe pode querer de seus filhos. Não há recompensa maior do que o amor das crianças.

Solicite que cada dia eles presenteiem suas mães com um presente especial. Sugestões de presentes para o Dia das Mães:

Presentes que não custam dinheiro, mas custam nosso amor...

O presente do escutar
Mas você realmente deve escutar. Nada de interromper, nada de sonhar acordado, nada de planejar sua resposta. Apenas escute com interesse, afeto e atenção!
O presente do afeto
Seja generoso com abraços e beijos, tapinhas nas costas e aperto de mãos na hora certa. Deixe estas pequenas atitudes demonstrarem o amor que você tem por sua mãe.
O presente da risada
Recorte desenhos. Compartilhe artigos e histórias engraçadas. Seu presente vai dizer "eu adoro rir com você."
O presente de um bilhete
Pode ser um simples "Obrigado pela ajuda" ou um soneto inteiro. Um bilhete, mesmo pequeno, manuscrito, pode ser lembrado por toda a vida, e pode até mudar uma vida. Diga do seu amor, gratidão por algo específico que ela fez ou simplesmente por ter-lhe dado a vida.
O presente de um elogio
Um simples e sincero, "Você fica muito bem de vermelho", "Você fez um excelente trabalho" ou "A comida estava maravilhosa" pode tornar o dia de alguém melhor. Imagine o impacto de ouvir isto do próprio filho ou filha!
O presente de um favor
Todo dia, saia da rotina e faça alguma coisa gentil. Telefone para perguntar como vai, passe por lá para deixar um pão quentinho ou cortar a grama. Ajude-a a entender aquela carta ou conserte aquela torneira que pinga sem parar.
O presente da solidão
Há momentos quando não queremos nada além de ficarmos sozinhos. Seja sensível a esses momentos e dê o presente da solidão respeitando a sua mãe como pessoa sem entretanto deixar dúvidas quanto ao seu apoio incondicional.
O presente da disposição alegre
O caminho mais fácil para nos sentirmos bem é dizer uma palavra gentil a alguém, especialmente à nossa mãe! De fato, não é tão difícil assim dizer, "Olá" ou "Muito Obrigado."
O presente da fé renovada
Ore a Deus pela sua mãe e faça isto na presença dela também. Reparta com ela um trecho da Bíblia que traga uma mensagem de confiança e paz ao coração. (por exemplo o Salmo 23; Romanos 8:31-39; Salmo 121)

Filhos são bençãos de Deus com todo o potencial necessário para abençoar os seus pais. Aproveite este dia especial para deixar Deus usar o "seu presente" para tornar a vida de sua mãe mais alegre. Peça agora a ajuda dele para escolher pelo menos um dos presentes acima!

Esta sugestão foi retirada do site: http://www.ibb.org.br/vidanet/outras/msg155.htm

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Cartão para o Dia das Mães

Olha que lindo esse modelo de cartão para o dia das mães!
Esse modelo e muitas outras coisas lindas e criativas,
você pode encontrar no blog: Oficina de Criatividade, da Jacirinha http://jacirinha.blogspot.com/ Acesse e confira!

















sábado, 19 de abril de 2008

DIA DO LIVRO...


******************
Abençoado seja!
******************


Livro na sala de aula
Livro no pátio, na varanda
Livro na mão
Livro na alma
Livro no coração.

♥♥♥

Livro tem cheiro,
tem gosto,
Ruído, melodia,
Ritmo, canção,
Verdade, fantasia, brincadeiras,
Suspense, intriga, ação.

♥♥♥

Livro de reza, de estudo,
De amor, de tragédia,
Livro de receitas de cozinha,
Livro p'ra ler a vida,
Livro p'ra curar a dor.

♥♥♥

Livro me acalma
Me pega no colo
Me leva p'ro espaço infinito
P'ros cantos da minha alma
Onde ninguém nunca vai.

♥♥♥

Livro
De história...
De estudo...
Livro de poesia...
De tudo!

♥♥♥

Abençoado seja,
Livro meu,
De cada dia!

Leda Maria


O livro fala de paixão,
perdas, de alegrias, de vida – por isso ele é importante.
Ler é um direito, não um dever.
♥♥♥
Sylvia Orthof

sexta-feira, 18 de abril de 2008

A Escola é...


... o lugar que se faz amigos.
Não se trata só de prédios, salas, quadros,
Programas, horários, conceitos...
Escola é sobretudo, gente
Gente que trabalha, que estuda
Que alegra, se conhece, se estima.


O diretor é gente,
O coordenador é gente,
O professor é gente,
O aluno é gente,
Cada funcionário é gente.


E a escola será cada vez melhor
Na medida em que cada um se comporte
Como colega, amigo, irmão.


Nada de “ilha cercada de gente por todos os lados”
Nada de conviver com as pessoas e depois,
Descobrir que não tem amizade a ninguém.
Nada de ser como tijolo que forma a parede,
Indiferente, frio, só.


Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar,
É também criar laços de amizade,
É criar ambiente de camaradagem,
É conviver, é se “amarrar nela”!
Ora é lógico...


Numa escola assim vai ser fácil !
Estudar, trabalhar, crescer,
Fazer amigos, educar-se, ser feliz.
É por aqui que podemos começar a melhorar o mundo.

Paulo Freire

terça-feira, 15 de abril de 2008

A arte de desenhar...


Dessa maneira toda criança aprende a desenhar!
















sexta-feira, 11 de abril de 2008

O Lúdico na Educação Infantil.


“Brincar não é perder tempo, é ganhá-lo.É triste ter meninos sem escola,mas mais triste é vê-los enfileirados em salas sem ar,com exercícios estéreis,sem valor para a formação humana"
Carlos Drummond de Andrade



Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma determinada situação por puro prazer, por ter apreciado seus efeitos.


Em torno dos 2-3 e 5-6 anos nota-se a ocorrência dos jogos simbólicos, que satisfazem a necessidade da criança de não somente relembrar o mentalmente o acontecido, mas de executar a representação.

Em período posterior surgem os jogos de regras , que são transmitidos socialmente de criança para criança e por conseqüência vão aumentando de importância de acordo com o progresso de seu desenvolvimento social. Para Piaget, o jogo constitui-se em expressão e condição para o desenvolvimento infantil , já que as crianças quando jogam assimilam e podem transformar a realidade.

Já Vygotsky (1998), diferentemente de Piaget, considera que o desenvolvimento ocorre ao longo da vida e que as funções psicológicas superiores são construídas ao longo dela. Ele não estabelece fases para explicar o desenvolvimento como Piaget e para ele o sujeito não é ativo nem passivo: é interativo.
Segundo ele, a criança usa as interações sociais como formas privilegiadas de acesso a informações: aprendem a regra do jogo, por exemplo, através dos outros e não como o resultado de um engajamento individual na solução de problemas. Desta maneira, aprende a regular seu comportamento pelas reações, quer elas pareçam agradáveis ou não.

Enquanto Vygotsky fala do faz-de-conta, Piaget fala do jogo simbólico, e pode-se dizer, segundo Oliveira (1997) ,que são correspondentes.

“O brinquedo cria uma Zona de Desenvolvimento Proximal na criança”. (Oliveira, 1977: 67), lembrando que ele afirma que a aquisição do conhecimento se dá através das zonas de desenvolvimento: a real e a proximal. A zona de desenvolvimento real é a do conhecimento já adquirido, é o que a pessoa traz consigo, já a proximal, só é atingida, de início, com o auxílio de outras pessoas mais “capazes”, que já tenham adquirido esse conhecimento.

“As maiores aquisições de uma criança são conseguidas no brinquedo, aquisições que no futuro tornar-se-ão seu nível básico de ação real e moralidade (Vygotsky, 1998).

Piaget (1998) diz que a atividade lúdica é o berço obrigatório das atividades intelectuais da criança, sendo, por isso, indispensável à prática educativa (Aguiar, 1977: 58).

Na visão sócio- histórica de Vygotsky, a brincadeira, o jogo, é uma atividade específica da infância, em que a criança recria a realidade usando sistemas simbólicos. Essa é uma atividade social, com contexto cultural e social. É uma atividade humana criadora, na qual imaginação, fantasia e realidade interagem na produção de novas possibilidades de interpretação, de expressão e de ação pelas crianças, assim como de novas formas de construir relações sociais com outros sujeitos, crianças e adultos.

Para Vygotsky, citado por Wajskop (1999:35): ...a brincadeira cria para as crianças uma zona de desenvolvimento proximal que não é outra coisa senão a distância entre o nível atual de desenvolvimento, determinado pela capacidade de resolver independentemente um problema, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da resolução de um problema, sob a orientação de um adulto, ou de um companheiro mais capaz.

Vygotsky, citado por Lins (1999), classifica o brincar em algumas fases: durante a primeira fase a criança começa a se distanciar de seu primeiro meio social, representado pela mãe, começa a falar, andar e movimentar-se em volta das coisas. Nesta fase, o ambiente a alcança por meio do adulto e pode-se dizer que a fase estende-se até em torno dos sete anos. A segunda fase é caracterizada pela imitação, a criança copia os modelos dos adultos. A terceira fase é marcada pelas convenções que surgem de regras e convenções a elas associadas.

Vygotsky (1989: 109), ainda afirma que: é enorme a influência do brinquedo no desenvolvimento de uma criança. É no brinquedo que a criança aprende a agir numa esfera cognitiva, ao invés de numa esfera visual externa, dependendo das motivações e tendências internas, e não por incentivos fornecidos por objetos externos”.

A noção de “zona proximal de desenvolvimento” interliga-se portanto, de maneira muito forte, à sensibilidade do professor em relação às necessidades e capacidades da criança e à sua aptidão para utilizar as contingências do meio a fim de dar-lhe a possibilidade de passar do que sabe fazer para o que não sabe. (Pourtois, 199: 109).

As brincadeiras que são oferecidas à criança devem estar de acordo com a zona de desenvolvimento em que ela se encontra e estimular para o desenvolvimento do ir além; desta forma, pode-se perceber a importância do professor conhecer a teoria de Vygotsky.

No processo da educação infantil o papel do professor é de suma importância, pois é ele quem cria os espaços, disponibiliza materiais, participa das brincadeiras, ou seja, faz a mediação da construção do conhecimento.

A desvalorização do movimento natural e espontâneo da criança em favor do conhecimento estruturado e formalizado, ignora as dimensões educativas da brincadeira e do jogo como forma rica e poderosa de estimular a atividade construtiva da criança. É urgente e necessário que o professor procure ampliar cada vez mais as vivências da criança com o ambiente físico, com brinquedos, brincadeiras e com outras crianças.

O jogo, compreendido sob a ótica do brinquedo e da criatividade, deverá encontrar maior espaço para ser entendido como educação, na medida em que os professores compreenderem melhor toda sua capacidade potencial de contribuir para com o desenvolvimento da criança.

NEGRINE (1994:20), em estudos realizados sobre aprendizagem e desenvolvimento infantil, afirma que "quando a criança chega à escola, traz consigo toda uma pré-história, construída a partir de suas vivências, grande parte delas através da atividade lúdica".
Segundo esse autor, é fundamental que os professores tenham conhecimento do saber que a criança construiu na interação com o ambiente familiar e sociocultural, para formular sua proposta pedagógica.

Entendemos, a partir dos princípios aqui expostos, que o professor deverá contemplar a brincadeira como princípio norteador das atividades didático-pedagógicas, possibilitando às manifestações corporais encontrarem significado pela ludicidade presente na relação que as crianças mantêm com o mundo.

Porém essa perspectiva não é tão fácil de ser adotada na prática. Podemos nos perguntar: como colocar em prática uma proposta de educação infantil em que as crianças desenvolvam, construam/adquiram conhecimentos e se tornem autônomas e cooperativas?
Como os professores favorecerão a construção de conhecimentos se não forem desafiados a construírem os seus?
O caminho que parece possível implica pensar a formação permanente dos profissionais que nela atuam.

“é preciso que os profissionais de educação infantil tenham acesso ao conhecimento produzido na área da educação infantil e da cultura em geral, para repensarem sua prática, se reconstruírem enquanto cidadãos e atuarem enquanto sujeitos da produção de conhecimento. E para que possam, mais do que "implantar" currículos ou "aplicar" propostas à realidade da creche/pré-escola em que atuam, efetivamente participar da sua concepção, construção e consolidação”. (Kramer apud MEC/SEF/COEDI, 1996 p.19).

Referências bibliográficas:
KRAMER, Sonia. Currículo de Educação Infantil e a Formação dos Profissionais de Creche e Pré-escola: questões teóricas e polêmicas. In: MEC/SEF/COEDI. Por uma política de formação do profissional de Educação Infantil. Brasília-DF. 1994a

LINS, Maria Judith Sucupira da Costa. 1999. O direito de brincar: desenvolvimento cognitivo e a imaginação da criança na perspectiva de Vygotsky. In: XIII CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA OMEP. Paraíba. Anais do XIII Congresso Brasileiro de Educação Infantil da OMEP. p. 41-47.

NEGRINE, Airton. Aprendizagem e desenvolvimento infantil. Porto Alegre: Prodil, 1994.

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de (org). 2000. Educação infantil: muitos olhares. 4.ed. São Paulo: Cortez.

Piaget, J. A psicologia da criança. Ed Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

Pourtois & Desmet. A educação pós-moderna. Loyola, 1999.

VYGOTSKY, L. 1989. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

WAJSKOP, Gisela. 1995. O brincar na educação infantil. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n.92, p. 62-69, fev._____ 1999. Brincar na pré-escola. 3.ed. São Paulo: Cortez.







terça-feira, 8 de abril de 2008

Artesanato em E.V.A



E.V.A
É o resultado da abreviação do nome etil vinil acetato, nome técnico que é dado a um material emborrachado de densidade macia e textura normalmente lisa, que tem sido utilizado de diversas formas nos acessórios domésticos, na decoração de festas infantis, em painéis nas escolas, trabalhos escolares, e em tudo mais que a imaginação permitir.

Ultimamente muito se tem usado este material no artesanato profissional e amador também.Com o material E.V.A é possível criar lindos desenhos para decoração de cadernos, cartões, paredes de quartos infantis, quadros para decorar diversos ambientes com um toque divertido e moderno, etc.

Para trabalhar com esse material emborrachado usa-se uma infinidade de ferramentas como tesouras decorativas, estiletes de vários tamanhos, algumas máquinas de corte ou até mesmo, ferramentas de outras modalidades de artesanato podem ser utilizadas.

O importante é ser criativo, observar o acabamento com cuidado, e estar sempre em busca de novidades, esses são os ingredientes de sucesso.Preste atenção também para não deixar marca de cola quando estiver executando o trabalho, pois isso daria a impressão de trabalho desleixado, o que prejudicaria o resultado final e o sucesso do seu trabalho também.